Marco Tulio Urologista
Logo Instituto Cavalcanti
Instituto Cavalcanti

Linfangite esclerosante peniana: será que é esse o seu problema?

Compartilhe

Embora seja uma doença rara que acomete o órgão sexual masculino, a linfangite esclerosante peniana pode trazer muitos desconfortos para o homem. Leia mais neste texto para entender o que é linfangite esclerosante peniana, como tratar, causas e sintomas. O que é linfangite esclerosante peniana? Existem muitas doenças que podem gerar dor no pênis, dentre elas, a linfangite esclerosante peniana, que é uma patologia que atinge um vaso linfático do órgão sexual masculino, na área abaixo da glande, em volta do sulco coronal. Com essa condição, o pênis passa a apresentar um inchaço semelhante a um cordão que percorre a circunferência da área. É uma condição benigna que vai acometer especialmente os homens de 20 a 45 anos, especialmente na fase sexual mais ativa, mas já foram relatados casos a partir dos 60 anos. A causa dessa patologia ainda não está muito bem definida, porém, um dos indicativos é o pênis sofrer traumas repetidos durante atividades sexuais mais intensas. A linfangite esclerosante peniana é diferente da fibrose peniana, que ocorre devido aos microtraumas das relações sexuais ou até masturbação, que também pode ser um sinal e sintoma da Doença de Peyronie, que deixa o pênis torto. Na linfangite, esses traumas recorrentes nas relações sexuais mais vigorosas podem provocar o bloqueio dos vasos linfáticos, que são pequenos tubos que transportam o fluido linfático e os glóbulos brancos, que são as células de defesa do organismo. Outra condição que pode favorecer a linfangite esclerosante peniana é a circuncisão. No entanto, ainda são necessárias mais pesquisas que vão definir esse procedimento como uma causa definitiva. Já em outras pesquisas, um pouco mais antigas, também já sugerido que as DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) podem ser um fator de risco para o surgimento desse mau funcionamento dos vasos linfáticos nesta região peniana. Sintomas da linfangite esclerosante no pênis Apesar de não ser um quadro que irá evoluir para um tumor, a linfangite esclerosante peniana gera bastante conforto, porque além da dor e do inchaço, também pode ocorrer com erupções cutâneas subjacentes. A causa da dor é porque com o bloqueio dos vasos linfáticos penianos, eles podem inflamar. Como fica uma espécie de cordão duro ao redor do sulco coronal, que pode ser visto com o órgão flácido ou ereto, muitos pacientes podem confundir com uma veia inchada no pênis, que é típico da trombose da veia dorsal do pênis, que também leva à inflamação no órgão sexual. Mas, essas são patologias diferentes. Quando as veias no pênis estão inchadas, podem ter uma coloração mais arroxeada ou avermelhada, enquanto na linfangite esclerosante peniana, a área atingida vai manter o mesmo tom da pele do paciente. Linfangite esclerosante peniana: como é o diagnóstico? Para realizar o diagnóstico da linfangite esclerosante peniana, e também diferenciar esse problema de outras doenças que atingem o pênis, é preciso passar por uma consulta com um especialista em medicina sexual masculina. Nem sempre o diagnóstico é assim tão fácil e vai envolver investigação do histórico do paciente e exames físicos. O especialista irá solicitar exames de urina ou fazer o teste de inserir um cotonete na ponta do pênis para verificar se há DSTs; e exame de sangue, para checar a contagem de leucócitos e entender se há uma infecção. Para descartar outras causas do edema, o especialista também pode solicitar uma biópsia da área. Além disso, um doppler peniano pode descartar outras doenças, como a trombose da veia dorsal do pênis. Linfangite esclerosante peniana: tratamento? Embora não haja estudos que falem sobre complicações da doença, quando a linfangite peniana não desaparece espontaneamente, em 4 ou 6 semanas, é preciso buscar tratamento, que pode ser um tanto demorado, mas existe como se livrar desse problema. Porém, mesmo antes disso, pode ser bastante desconfortável ter uma ereção enquanto está portando essa condição. Por isso, muitas vezes, o melhor é evitar a atividade sexual (penetração ou masturbação) enquanto a patologia persistir, porque a persistência nas práticas pode irritar ainda mais a área e retardar a cura. Outro motivo que pode levar um paciente a buscar ajuda médica é apresentar esse quadro com frequência. Uma das abordagens de tratamento pode ser a prescrição de anti-inflamatórios não esteroides, para diminuir o inchaço e a dor. Mas se a causa da linfangite peniana for uma DST, pode ser necessário uso de antibióticos. Além disso, a abstinência sexual também será indicada para não contaminar a parceria sexual. Conclusão As questões sexuais masculinas merecem muita atenção, portanto, é importante que os homens adotem uma consciência de um maior cuidado com a saúde sexual. A linfangite esclerosante peniana é uma das patologias que podem afetar a vida sexual masculina e prejudicar a sua qualidade. Por isso, faça consultas regulares ao urologista para preservar o seu bem-estar.

Embora seja uma doença rara que acomete o órgão sexual masculino, a linfangite esclerosante peniana pode trazer  muitos desconfortos para o homem.

Leia mais neste texto para entender o que é linfangite esclerosante peniana, como tratar, causas e sintomas.

O que é linfangite esclerosante peniana?

Existem muitas doenças que podem gerar dor no pênis,  dentre elas, a linfangite esclerosante peniana, que é uma patologia que atinge um vaso linfático do órgão  sexual masculino, na área abaixo da glande, em volta do sulco coronal. 

Com essa condição, o pênis passa a apresentar um inchaço semelhante a um cordão que percorre a circunferência da área.

É uma condição benigna que vai acometer especialmente os homens de 20 a 45 anos, especialmente na fase sexual mais ativa, mas já foram relatados casos a partir dos 60 anos. 

A causa dessa patologia ainda não está muito bem definida, porém, um dos indicativos é o pênis sofrer traumas repetidos durante atividades sexuais mais intensas.

A linfangite esclerosante peniana é diferente da fibrose peniana, que ocorre devido aos microtraumas das relações sexuais ou até masturbação, que também pode ser um sinal e sintoma da Doença de Peyronie, que deixa o pênis torto.

Na linfangite, esses traumas recorrentes nas relações sexuais mais vigorosas podem provocar o bloqueio dos vasos linfáticos, que são pequenos tubos que transportam o fluido linfático e os glóbulos brancos, que são as células de defesa do organismo.

Outra condição que pode favorecer a linfangite esclerosante peniana é a circuncisão. No entanto, ainda são necessárias mais pesquisas que vão definir esse procedimento como uma causa definitiva.

Já em outras pesquisas, um pouco mais antigas, também já sugerido que as DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) podem ser um fator de risco para o surgimento desse mau funcionamento dos vasos linfáticos nesta região peniana.

Ebook Disfunção erétil

Sintomas da linfangite esclerosante no pênis

Apesar de não ser um quadro que irá evoluir para um tumor, a linfangite esclerosante peniana gera bastante desconforto, porque além da dor e do inchaço, também pode ocorrer com erupções  cutâneas subjacentes. 

A causa da dor é porque com o bloqueio dos vasos linfáticos penianos, eles podem inflamar.

Como fica uma espécie de cordão duro ao redor do sulco coronal, que pode ser visto com o órgão flácido ou ereto, muitos pacientes podem confundir com uma veia inchada no pênis, que é típico da trombose da veia dorsal do pênis, que também leva à inflamação no órgão sexual. Mas, essas são patologias diferentes.

Quando as veias no pênis estão inchadas, podem ter uma coloração mais arroxeada ou avermelhada, enquanto na linfangite esclerosante peniana, a área atingida vai manter o mesmo tom da pele do paciente.

Linfangite esclerosante peniana: como é o diagnóstico?

Para realizar o diagnóstico da linfangite esclerosante peniana, e também diferenciar esse problema de outras doenças que atingem o pênis, é preciso passar por uma consulta com um especialista em medicina sexual masculina.

Nem sempre o diagnóstico é assim tão fácil e vai envolver investigação do histórico do paciente e exames físicos.

O especialista irá solicitar exames de urina ou fazer o teste de inserir um cotonete na ponta do pênis para verificar se há DSTs;  e exame de sangue, para checar a contagem de leucócitos e entender se há uma infecção.

Para descartar outras causas do edema, o especialista também pode solicitar uma biópsia da área. Além disso, um doppler peniano pode descartar outras doenças, como a trombose da veia dorsal do pênis.

Linfangite esclerosante peniana: tratamento?

Embora não haja estudos que falem sobre complicações da doença, quando a linfangite peniana não desaparece espontaneamente, em 4 ou 6 semanas, é preciso buscar tratamento, que pode ser um tanto demorado, mas existe como se livrar desse problema.

Porém, mesmo antes disso, pode ser bastante desconfortável ter uma ereção enquanto está portando essa condição. Por isso, muitas vezes, o melhor é evitar a atividade sexual (penetração ou masturbação) enquanto a patologia persistir, porque a persistência nas práticas pode irritar ainda mais a área e retardar a cura.

Outro motivo que pode levar um paciente a buscar ajuda médica é apresentar esse quadro com frequência.

Uma das abordagens de tratamento pode ser a prescrição de anti-inflamatórios não esteroides, para diminuir o inchaço e a dor.

Mas se a causa da linfangite peniana for uma DST, pode ser necessário uso de antibióticos. Além disso, a abstinência sexual também será indicada para não contaminar a parceria sexual.

Conclusão

As questões sexuais masculinas merecem muita atenção, portanto, é importante que os homens adotem uma consciência de um maior cuidado com a saúde sexual.

A linfangite esclerosante peniana é uma das patologias que podem afetar a vida sexual masculina e prejudicar a sua qualidade. Por isso,  faça consultas regulares ao urologista para preservar o seu bem-estar.

Home – Marco Túlio

Dr. Marco Túlio Cavalcanti Urologista e Andrologista. Disfunção Erétil e Impotência sexual: dê fim a esse tormento. Prótese do Pênis: a retomada da sua vida sexual. Doença Peyronie: correção da curvatura, recuperação do tamanho e calibre do pênis. Reposição Hormonal: retome o seu desempenho.

Instagram: @dr.mtcavalcanti

Youtube: Dr. Marco Túlio Cavalcanti

www.drmarcotuliourologista.com.br

Sumário

Veja também

0

Seu Carrinho

    Produto Preço Qtd Total
Carrinho Vazio
nothing

Seu carrinho está vazio

Seu carrinho está vazio